A cada dez palavras que eu falo, onze são 'me deixa em paz'

KLB

Se você era criança ou adolescente durante o começo dos anos 2000, não preciso explicar o que é KLB. Caso contrário, sinto muito que você tenha vindo parar aqui nesse blog.

Esta é memória mais impactante que tenho em relação ao KLB: todas as meninas do meu prédio gostavam de um deles, então eu era obrigada a escolher um também, embora achasse todos feios. Acho que escolhi o Leandro, porque ele era o que as fãs costumavam achar bonito, e eu nunca tive muita personalidade.

Não fui uma fã muito ávida de boy bands na infância nem na adolescência, mas compensei o tempo perdido aos 18 anos, quando desenvolvi uma paixão nem um pouco saudável pelo Harry Styles. Essa obsessão durou quatro anos e resultou em um projeto inacabado de um zine com fotos das mãos dele e uma fanfic erótica ambientada na Itália – ainda tenho recaídas ocasionais, mas parei com as fanfics.

Ouvir One Direction quando eu já não era mais adolescente me possibilitou o distanciamento necessário para que eu pudesse me julgar menos por estar sendo tão "feminina''. Quando tinha 16 anos de verdade, eu queria parecer tudo, menos uma garota adolescente.

Mas voltando para o KLB. A outra memória que tenho deles era o chaveiro da minha melhor amiga da época. Um mini-rádio de plástico verde fluorescente que tocava o refrão de A cada dez palavras (Isso é real, né? Alguém mais se lembra? Não é possível que eu tenha imaginado tudo).

Pois bem, aproveitando que agora sou mais receptiva a boy bands, recentemente recomecei a ouvir KLB. Imaginem o meu choque ao perceber a verdadeira mensagem por trás dessa canção supostamente singela!

Vocês estão preparados?

Recomendo que coloquem a música para tocar no Spotify ou no Youtube. Vão lá, eu espero vocês.

Pronto.

Bom, isso começou bem, né? Um pad celestial, um sintetizador agudo repetindo uma melodia chiclete, uma voz melosa gemendo oooooh yeah yeah, até que…

Faz tanto tempo que eu venho te seguindo
Conheço passo a passo todos seus caminhos
Sei a hora que acorda, e a hora em que vai dormir
Sei tudo sobre você e você nada sobre mim

Preciso esclarecer que essa música foi composta ANTES do Facebook. Stalkear alguém virtualmente nem era uma coisa ainda! Ele NÃO está obtendo essas informações pelo Insta Stories da garota.

Eu descolei para mim o seu telefone
E te liguei mas eu não quis falar meu nome
Tive medo e quando ouvi a sua voz na hora desliguei
E confesso na verdade me faltou coragem para dizer

Ainda bem que te faltou coragem! Porque conforme você já estabeleceu antes, essa garota NEM TE CONHECE. Em que planeta você vive para achar que garotas gostam de receber declarações de amor de desconhecidos pelo telefone? Ela provavelmente iria ligar para a polícia e dormir com um canivete debaixo do travesseiro pelas próximas sete noites.

A cada dez palavras que eu falo, onze é você
Cada rosto que eu vejo em todos vejo você

Imaginem se todo rosto que vocês vissem literalmente se transformasse no rosto do seu crush. Seria o melhor enredo para um filme de comédia, mas os caras do KLB já perderam completamente a noção do bom senso, então não espero que eles consigam perceber o humor dessa declaração absurda.

E na verdade essa música tem 21 "vocês" em um total 269 palavras (sim, eu contei). Talvez se a letra fosse só a palavra "você" repetida 269 vezes ela seria mais interessante.

Tentei mil vezes te esquecer mas no fim
Mil vezes te desejei só para mim

Tentou mesmo? Parece que você poderia se esforçar mais.

Eu dei um tempo, uma hora, um pouco mais
Até criar coragem pra te falar
Mas antes de ligar de novo quis tentar uma vez mais
Assim ter forças pra te encarar

Migoooo, desiste. Crie coragem para procurar um psiquiatra. E você pode ler uma edição de O segundo sexo enquanto espera no consultório.

2:08. Ah, eu amo essa tendência do começo dos anos 2000 de botar pessoas falando no telefone nas músicas! Baby liga para mim, Chamada a cobrar… ok, só consigo lembrar dessas duas canções, mas eu tenho certeza de que isso foi uma tendência! E uma que deveria fazer um retorno agora.

Confesso que sou uma pessoa fácil de ser manipulada por clichês de música pop, então fico relutantemente emocionada no clímax final de A cada dez palavras. Mas vamos "falar sério".

Sim, essa canção é um pedaço de chiclete pop brilhantemente executado, mas a letra é mais um produto a afirmar que seguir mulheres e ser obcecado por elas é romântico. O que é nem um pouco bacana! Quem poderia imaginar que boy bands reproduziriam ideias prejudiciais para as mulheres? Chocada e decepcionada. Leandro, me arrependo de ter falado que te pegaria quando eu tinha 8 anos! Eu nem mesmo queria te pegar, ok? ✨

Eu adoro reclamar! Você também? Dê uma lida em Tudo que você precisa saber sobre o ovário esquerdo dela e Sete dicas para não se matar enquanto usa o Tinder.

Conheça passo a passo todos meus caminhos me seguindo pelo Facebook, pelo Twitter e pelo Instagram.

0 textões:

Postar um comentário