Bissexualidade feminina: mera curtição?